A Felicidade de uma Mente Livre

quarta-feira, 6 de junho de 2012

O que é o Ho'oponopono - Terceiro Milênio






Você já deve ter escutado alguém recitar um mantra que está transformando a vida de muitas pessoas: “Sinto muito. Me perdoa. Te amo. Sou grato”. São quatro frases ditas pelos praticantes do Ho’oponopono, uma técnica havaiana de liberação de padrões de memórias dolorosas para atingir o bem-estar. Nessa entrevista à Revista TerceiroMilênio, Regina Tavares explica o que é o Ho’oponopono.

Revista TerceiroMilênio: O que é o Ho’oponopono?
Regina Tavares: Ho’oponopono é uma técnica havaiana de cura, através da qual podemos limpar o lixo mental: memórias e padrões repetitivos que nos trazem mal estar e desconforto. Consiste em pedir ao Divino em nós que cancele e substitua as energias tóxicas encontradas em nós mesmos. O Divino faz o fluxo de energia descer da Mente Superconsciente, através da mente consciente, até a mente subconsciente (emocional), despertando as memórias negativas acumuladas e libertando-a da excessiva racionalização e de todas as emoções tóxicas, substituindo tudo com amor incondicional. Pode-se dizer que Ho’oponopono é um método de curar de dentro para fora.
Revista TerceiroMilênio: Qual a origem da prática do Ho’oponopono?
Regina Tavares: Em Havaiano, Ho'o significa “causa”, e ponopono quer dizer “perfeição”, portanto, Ho’oponopono significa “corrigir um erro” ou “tornar certo”. O erro nasce de pensamentos contaminados por memórias dolorosas. O Ho’oponopono tradicional era um sistema interpessoal de cura Huna, criado pelo empresário e pesquisador americano Max Freedom Long, que deu esse nome à sua versão do espiritualismo dos povos antigos do Havaí. O processo de Ho’oponopono atualmente utilizado no mundo todo é o da Identidade Própria, é intrapessoal, ou seja, sou “eu em comunicação com a Divindade”. Foi desenvolvido pela Kahuna havaiana Morrnah Nalamaku Simeona, que o ensinou ao Dr. Ihaleakala Hew Len, Pós-doutor em Psicologia, que conseguiu curar um pavilhão inteiro de pacientes criminais insanos com o processo.
Revista TerceiroMilênio: O que são memórias?
Regina Tavares: Pode-se dizer que memórias são as formas como "eu enxergo" as situações e pessoas que fazem parte do meu dia-a-dia. São os padrões repetitivos que vamos acumulando ao longo do tempo. As memórias podem ser positivas ou negativas. Memórias negativas são padrões que nos fazem perceber tudo na vida como sendo problemas e dificuldades. E os problemas não têm nada a ver com uma pessoa ou situação, mas unicamente “comigo” – como eu percebo a questão. Memórias positivas também são padrões, só que nos levam a apreender a vida de forma mais otimista e positiva. O Ho’oponopono da Identidade Própria não encara os problemas como provações, mas como oportunidades… de limparmos a maneira como costumávamos perceber a situação e/ou pessoa… de entrarmos no silêncio onde novas soluções são possíveis e de adotarmos uma nova postura diante da situação em questão. O Dr. Hew Len diz que nossas decisões são tomadas antes de nós decidirmos. E que isso acontece porque sempre existem milhões de memórias inconscientes nas nossas mentes subconscientes, e são essas memórias que tomam as decisões por nós. Como não estamos cientes dessas memórias, precisamos falar com o Divino, porque essa parte sagrada em nós as conhece e só Ela pode cancelar esses padrões.
Revista TerceiroMilênio: Por que devemos ser gratos às nossas memórias?
Regina Tavares: Não somos gratos às memórias, somos gratos à oportunidade que surge, quando sentimos algum desconforto, de libertar-nos desses programas e fazemos isso com amor. Isso significa que amamos a ‘criança’ interior que todos temos dentro de nós e que percebe as coisas de forma negativa. Assim, nós não nos punimos, mas nos acolhemos, acolhemos a nossa forma de perceber as situações e as pessoas e assumimos 100% de responsabilidade em mudar o que sentimos. Pedimos ao Divino que transmute as memórias do nosso subconsciente que são reencenadas como as percepções, os pensamentos e as reações que temos a respeito de determinada situação ou pessoa e o Divino nos atende… desde que assumamos 100% de responsabilidade pela situação e pela limpeza (seja por quanto tempo for).
Revista TerceiroMilênio: O que são inspirações?
Regina Tavares: São ‘insights’, ideias, lampejos… que recebemos da parte sagrada em nós, geralmente soluções “fora das possibilidades conhecidas do intelecto” para a resolução de situações conflituosas ou desafios. Normalmente surgem como algo que “não tínhamos pensado” antes. Temos duas maneiras de viver a vida, a partir da memória ou da Inspiração. O Ho’oponopono oferece uma maneira de liberar a energia dos pensamentos dolorosos e repetitivos que não nos permitem encontrar soluções. É simplesmente um processo de solucionar problemas… que é feito inteiramente dentro de nós mesmos. E o resultado desse processo é o encontro contínuo com as Inspirações.
Revista TerceiroMilênio: Como é possível silenciar a mente para ouvir as inspirações?
Regina Tavares: O silêncio só vem com a prática contínua. As Inspirações só podem ser ouvidas quando conseguimos parar a ‘tagarelice’ mental. A única maneira de ouvir o Divino e receber Inspiração é limpando todas as memórias e padrões de pensamento repetitivos. Ou seja, só é possível silenciar a mente para ouvir as Inspirações através da limpeza. Com a prática, conseguimos entrar no ‘vazio’, um estado de plenitude e conexão com o Divino. Joe Vitale, autor do best-seller “Limite Zero”, diz que “A Memória é pensamento e a Inspiração é consentimento”… consentimento para que o Divino traga soluções. Quando limpamos memórias constantemente, o que tem lugar é Inspiração.
Revista TerceiroMilênio: O que significa “não reagir”?
Regina Tavares: Significa parar todo e qualquer tipo de reatividade/resposta repetitiva àquilo que nos está desafiando em qualquer momento. E isto inclui (principalmente) os nossos próprios pensamentos. Significa olhar para qual problema (memórias se repetindo e promovendo desconforto emocional) em mim está causando a situação que estou vivenciando e pedir à Divindade para cancelar essa programação. Quando reagimos, isto está em nós, não na outra pessoa ou na situação. Então, pedimos: “O que há em mim que preciso liberar, para conseguir enxergar essa situação/pessoa de outra forma?” Reagir é repetir os padrões… e obter os mesmos resultados continuamente. Não reagir é dar um “stop!” antes de adotar qualquer atitude, limpar as memórias e abrir espaço para fazer diferente …obtendo novos e diferentes resultados.
Revista TerceiroMilênio: Em que situação podemos praticar o Ho’oponopono?
Regina Tavares: Em qualquer tipo de situação, sem exceção.
Revista TerceiroMilênio: Qual o efeito do Ho’oponopono para a pessoa que o pratica?
Regina Tavares: Plenitude, paz, respostas, pró-atividade. A nossa mente pode funcionar com base em memórias acumuladas repetindo os problemas, ou pode funcionar à base da serenidade e do silêncio interior, que propicia Inspirações. O nosso intelecto tem essa escolha: ser comandado por problemas ou por Inspirações. A limpeza é feita não para que a situação ou a pessoa mudem. Mas única e exclusivamente para que "eu perceba a situação de forma diferente". Quando praticamos o Processo do Ho’oponopono, o maior ganho que temos é o de romper com aqueles liames energéticos que nos prendiam às situações. Entramos em um espaço – o vazio – mental onde soluções fora do intelecto são possíveis. Começamos a lidar com todas as situações de nossas vidas de forma mais serena, mais prática, mais amorosa. Costumo dizer que ‘passamos a fazer parte da solução… para nós próprios e para o planeta’.
Revista TerceiroMilênio: É preciso ser um iniciado para praticar o Ho’oponopono, ou qualquer pessoa pode fazê-lo?
Regina Tavares: O processo de cura do Ho’oponopono é muito simples e qualquer pessoa pode praticá-lo, sem exceção. É como aquela história de um homem que não acreditava em nada, era totalmente cético. Um dia, um amigo chegou à porta da casa dele e viu uma ferradura pendurada sobre a soleira da porta e perguntou: – “Ué, você disse que é totalmente cético… o que faz essa ferradura pendurada aqui na sua porta?” E ele respondeu: “É, eu sei… mas dizem que funciona mesmo se a gente não acredita.” Obviamente, quanto mais consciência a pessoa tem a respeito do assunto, mais eficiente se torna o processo. Consciência é tudo! Tudo o que precisamos fazer para encontrar soluções em qualquer área de nossas vidas é limpar as memórias acumuladas, abrindo espaço para o novo. Há uma frase no Zohar que diz: “Abra para mim um espaço do tamanho do buraco de uma agulha e Abrirei para você os portões celestiais”. Essa frase define muito bem todo o processo do Ho’oponopono, porque tudo o que o Divino Deseja é que sejamos felizes!
Aloha!
Regina Tavares
Ho'oponopono é demais!





http://www.facebook.com/hooponoponomentelivre



11 comentários:

  1. Fechou a entrevista com chave de Ouro!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim... tudo o que o Divino quer é que sejamos felizes :-) Aloha, querido!

      Excluir
  2. Adorei, além de bonita é muito inteligente...
    Parabéns

    ResponderExcluir
  3. Simplesmente demais! Fui inundado por uma onda de paz e serenidade! Tinha começado a praticar mas deixei um pouco de lado... e hoje, num mimento que precisava de uma luz, me deparo com esse lindo texto! A sincronicidade voltou!!!! Gratidão!!!!

    ResponderExcluir
  4. It completely is good which anyone have actually printed so that intriguing review.I'm grateful that we have discovered ones web page. Now I am anticipating study different, fascinating content.

    ResponderExcluir